$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: FELICIDADE: DEFINIÇÕES E PARADOXOS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): MICHELE INTRATOR

Colaborador(es):  SOLANGE JOBIM E SOUZA - Orientador
Número do Conteúdo: 27724
Catalogação:  20/10/2016 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27724@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27724@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.27724

Resumo:
Com o advento da modernidade e da cultura de consumo, as concepções de tempo e espaço são alteradas. O espaço passa a incluir a esfera virtual e o tempo passa a ser instantâneo, de acordo com as novas tecnologias. O Estado também descentraliza seu poder, instituindo a exacerbação do individualismo. Inserido nesse contexto, o sujeito contemporâneo, desprovido de apoio político ou social, passa a se responsabilizar por sua existência e almeja realizações imediatas. Dessa forma, vem se construindo um cenário que recrimina a dor, não permite o tempo ocioso ou improdutivo, insere a lógica do imediato e exige condutas performáticas, livres e bem-sucedidas. Esse é o cenário perfeito para o desenvolvimento do imperativo da felicidade, a partir do qual slogans, clichês e fórmulas são difundidos pelos diferentes veículos midiáticos. O presente trabalho tem como objetivo investigar as concepções específicas de felicidade para um grupo de entrevistados, bem como verificar em que medida os padrões sociais contemporâneos de felicidade influenciam estas percepções. Para tanto, foi realizada uma pesquisa qualitativa, na qual foram entrevistados dez jovens residentes na cidade do Rio de Janeiro e pertencentes às camadas médias da população. A análise dos seus depoimentos revela que todos os entrevistados consideram importantes os mesmos elementos vendidos pelas fórmulas da felicidade: relacionamentos, dinheiro, trabalho, família ou um estado interior psicológico propício. Nesta pesquisa destacaram-se os seguintes depoimentos: a vontade dos sujeitos de estarem em um relacionamento amoroso e a preocupação em ganhar dinheiro. Assim, verificamos que os sujeitos não estão descolados de uma imagem socialmente propagada de felicidade pela cultura do consumo e da informação.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui