INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: QUE ESCOLA É POSSÍVEL?: GERANDO ENTENDIMENTOS SOBRE OS DESAFIOS NO COTIDIANO ESCOLAR E NAS AULAS DE LÍNGUA PORTUGUESA EM UMA ESCOLA PÚBLICA NA FAVELA
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): CINARA MONTEIRO CORTEZ

Colaborador(es):  MARIA DAS GRACAS DIAS PEREIRA - Orientador
Número do Conteúdo: 29557
Catalogação:  03/04/2017 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=29557@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=29557@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.29557

Resumo:
O foco do estudo é a prática docente no ensino de língua portuguesa, com desafios no cotidiano escolar, em perspectivas de ordem micro e macro, em uma escola pública localizada em uma favela na Zona Oeste do Rio de Janeiro, área de violência e de exclusão social. O objetivo consiste em gerar entendimentos sobre algumas questões que emergiram a partir das interações em sala de aula e que resultaram em embates e resistências ao fazer pedagógico, afetando o processo de ensino e aprendizagem naquele contexto. As discussões e reflexões foram orientadas por atividades de letramentos com potencial exploratório realizadas principalmente em duas turmas de oitavo ano no ano de 2014. Em uma perspectiva da Linguística Aplicada Transgressiva e alinhando-me a proposições que questionam o fazer científico tradicional, este estudo sugere a descolonialidade de nossas práticas como pesquisadores, orientando-se metodologicamente pelo olhar autoetnográfico e etnográfico. A proposta é embasada pela Prática Exploratória, como foco no processo pedagógico, buscando priorizar a qualidade de vida na sala de aula com a participação ativa de todos os envolvidos. Em encontro a esta proposta, defendo a ideia de um ensino de Língua Portuguesa voltado a uma noção de reação interpretativa durante as práticas de letramentos e de uma postura mais consciente do professor em relação à linguagem como práxis. Os dados compõem-se de uma série de sequências pedagógicas em atividades de sala de aula, assim como de informações institucionais, relatos, reportagens, entrevistas e anotações de meu diário e notas de campo, gerados desde minha inserção na rede municipal de ensino em 2013. As primeiras atividades realizadas apontaram para os modelos tradicionais de ensino como os legítimos a serem utilizados nas aulas de LP e sugeriram a ratificação de meu papel como professora a partir da autorização dos alunos. Com as atividades exploratórias, as percepções dos alunos sobre si e o outro no espaço escolar indicaram desnaturalizações sobre pré-conceitos e crenças sobre ensino, dinamizando as interrelações estabelecidas em sala de aula. Os entendimentos gerados colaboraram para apreensão do outro como alguém potencialmente igual, enfatizando a alteridade como um exercício necessário e permanente para as práticas sociais e pedagógicas. Houve uma mudança de atitude em relação à legitimação do ensino de LP, sublinhando a compreensão de que o uso da língua e as atividades de letramentos encontram-se em todas as ações cotidianas. A vivência naquele contexto escolar demandou uma pesquisa que questionasse a própria forma de se pesquisar, possibilitando, especialmente, o discernimento dos diferentes saberes trazidos pelos alunos e de suas histórias locais como epistemes, e dando visibilidade aos diferentes mundos e culturas em contato no espaço escolar como mundos possíveis e em construção. Neste sentido, a idealização de uma escola que pudesse responder a todas as necessidades das classes menos privilegiadas cede vez à percepção de que pensar uma escola possível de acordo com as especificidades locais torna-se uma proposta mais coerente e engajada com aqueles outros mundos possíveis e seus atores na criação de inteligibilidades contingentes, processuais e contínuas.

Descrição Arquivo
CAPA, DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO, LISTAS, EPÍGRAFE  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui