$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: ENGAJAMENTO NARRATIVO E MITIGAÇÃO DA CULPA EM INTERROGATÓRIOS POLICIAIS DE UMA DELEGACIA DA MULHER
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): DEBORA MARQUES

Colaborador(es):  LILIANA CABRAL BASTOS - Orientador
Número do Conteúdo: 25327
Catalogação:  22/10/2015 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=25327@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=25327@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.25327

Resumo:
Nesta tese, analisamos a mitigação da culpa coconstruída, discursiva e interacionalmente, por inspetores de polícia, suspeitos e vítimas em interrogatórios policiais de uma Delegacia da Mulher. Para isso, ancoramo-nos na Análise de Narrativa e nos pressupostos da Linguística Aplicada contemporânea, de perspectiva construcionista da pesquisa qualitativa. Em nossas análises, olhamos, mais focalmente, para as performances narrativo-identitárias que emergem no trabalho interacional de tentativa de mitigação da culpa frente aos crimes em análise nos interrogatórios. Nesse cenário, mostramos como o engajamento narrativo assume um papel essencial e constitutivo nesse tipo de interação institucional-legal. Analiticamente, lançamos mão de elementos do modelo narrativo laboviano – destacando dele a avaliação (sobretudo o discurso reportado) e a ação complicadora. Esse modelo mostra-se como uma ferramenta producente para entender como as histórias são coconstruídas por suspeitos e por vítimas e como elas configuram-se como um meio discursivo-interacional para tentar mitigar agência e responsabilidade a fim de buscar mitigar a culpa: suspeitos buscam distanciar-se, interacional e discursivamente, da confissão do crime em investigação na Delegacia, vitimizando-se ao responsabilizarem suas esposas/vítimas pela agressão e vítimas, por sua vez, buscam distanciar-se dessa responsabilidade atribuída a elas nas histórias que seus companheiros/suspeitos contam. Nessa mesma perspectiva, nossas análises mostram como o engajamento narrativo dos participantes ocorre como accounts (explicação), já que suspeitos e vítimas usam, interacionalmente, as histórias que contam como uma forma para tentar justificar e prestar contas de suas ações (essas histórias são chamadas, nesta tese, de narrativas-accounts). Dessa forma, mostramos que é contando histórias, avaliando ações e personagens sob sua própria ótica, que narradores – suspeitos e vítimas – constroem confissões e depoimentos, que são tomados como fatos no ambiente jurídico. Ainda, relacionamos construções identitárias, o trabalho confessional e o tipo de atividade em curso, posto que a culpa e a responsabilidade perante crimes são coconstruídas na interação negociada entre os participantes. Face ao exposto, destacamos que entender melhor como a agência e a responsabilidade são mitigadas, discursivamente, pode contribuir para a atuação dos agentes da lei, sobretudo, daqueles que participam de contextos investigativos.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui