ETDs @PUC-Rio
Consulta aos Conteúdos
Estatística
Título: MARX NO ANTROPOCENO: METABOLISMO, MAQUINARIA E ALIENAÇÃO
Autor(es): RAFAEL MOSCARDI PEDROSO
Colaborador(es): PAULA ORRICO SANDRIN - Orientador
JAMES MATTHEW DAVIES - Coorientador
Catalogação: 15/JUL/2021 Idioma(s): INGLÊS - ESTADOS UNIDOS
Tipo: TEXTO Subtipo: TESE
Notas: [pt] Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
[en] All data contained in the documents are the sole responsibility of the authors. The data used in the descriptions of the documents are in conformity with the systems of the administration of PUC-Rio.
Referência(s): [pt] https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/projetosEspeciais/ETDs/consultas/conteudo.php?strSecao=resultado&nrSeq=53716@1
[en] https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/projetosEspeciais/ETDs/consultas/conteudo.php?strSecao=resultado&nrSeq=53716@2
DOI: https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.53716
Resumo:
O Antropoceno, enquanto o reconhecimento do impacto da atividade humana no planeta, tem sido um ponto crucial e transdisciplinar de debate. Esta dissertação intervém na teorização sobre o Antropoceno nas Relações Internacionais (RI), defendendo a importância de incluir uma crítica à produção nesses esforços. Entender a produção como uma determinação histórica central para compreender nossa situação atual e posicionar o trabalho e a tecnologia como tópicos cruciais é um movimento teórico e político importante porque constrói um terreno comum entre lutas ambientais e trabalhistas. Em primeiro lugar, esclarecemos a conexão entre o Antropoceno e a produção, argumentando como negligenciá-la prejudica o caráter crítico de certas abordagens em RI. Essa afirmação é feita por meio de um diálogo com o conceito de metabolismo desenvolvido na Ecologia Marxista, enfatizando o trabalho como atividade metabólica, ou seja, uma forma de relacionamento socialmente mediada com a natureza. Em segundo lugar, destacamos como essas interações com a natureza não são apenas sempre parciais, mas mediadas por ferramentas, máquinas e outros aparelhos. Opondo concepções de tecnologia como expressão de certas ideias de matéria, optando por ver a maquinaria como uma conurbação de fluxos que condensa divisões sociais mutantes do trabalho e cuja materialidade, desde a Revolução Industrial, se baseia sobretudo em como eles dividem e gerenciam energia e informação. Olhar para essa divisão permite uma narração sintética da trajetória tecnológica em que o Antropoceno emerge e o projeta como um regime de informação e energia. Por último, analisamos a hipótese do comunismo como gestão coletiva da alienação. A alienação aparece não como alienação de um potencial criativo que compartilhamos com a natureza, mas como a capacidade ambivalente do ser humano e da natureza de criarem coisas das quais perdemos o controle e que podem vir a nos determinar, mudando o significado tanto do humano quanto da natureza. Enquanto o capitalismo é um modo específico de alienação baseado na produção de valor que gera determinações específicas, o comunismo aparece como a reconstrução experimental coletiva de nossa organização social de produção, uma tarefa inacabável que implica uma mudança na forma como o humano e a natureza são determinados pela produção.
Descrição: Arquivo:   
NA ÍNTEGRA PDF