$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: DESIGN, IDEOLOGIA E RELAÇÕES DE TRABALHO: UMA INVESTIGAÇÃO SOBRE A INDÚSTRIA DA MODA NO CAPITALISMO TARDIO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): JOANA MARTINS CONTINO

Colaborador(es):  ALBERTO CIPINIUK - Orientador
Número do Conteúdo: 48339
Catalogação:  28/05/2020 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=48339@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=48339@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.48339

Resumo:
Este trabalho investiga o modo pelo qual a ideologia burguesa opera no Campo do Design e, consequentemente, nos trabalhadores que desempenham essa atividade profissional e a forma como ela se manifesta concretamente na atuação do designer, mais especificamente do designer de moda. Partimos do pressuposto que a compreensão das dinâmicas próprias ao campo só pode ocorrer ao relacioná-las à totalidade concreta da sociedade capitalista industrial. Deste modo, entendemos que o design não se explica por ele mesmo, como uma atividade com um fim em si mesma. E sim que ela tem importante papel ideológico na sociedade capitalista, justamente por seu aspecto econômico e cultural. Examinamos as questões relativas ao design (e mais especificamente ao design de moda) com o método dialético e as categorias do materialismo histórico. Assim, utilizamos os escritos de Marx e um referencial teórico ancorado na Crítica da Economia Política marxiana de modo a demonstrar que as leis de movimento do capitalismo que esse pensador buscou descrever continuam em atuação e que elas impactam e definem a atuação profissional do designer. Boa parte da literatura empregada na formação dos designers advém dos dogmas da Economia Política e da contemporânea literatura administrativa gestorial. Assim, além do modo de produção capitalista não ser visto como uma fase transitória do processo histórico, e sim como natural e eterno, a empresa capitalista aparece como o elemento central da sociedade. Procuramos revelar o conteúdo ideológico dessa literatura através da seleção de alguns de seus extratos, demonstrando como ela não é nada inofensiva, pois interfere na atividade profissional do designer, no resultado do seu trabalho e na sua falta de consciência enquanto classe trabalhadora. Iniciamos o presente trabalho confrontando duas nomenclaturas decorrentes das teorias que buscam compreender as mudanças sociais ocorridas no século XX, capitalismo tardio e sociedade pós-industrial. Abordamos também temas ligados ao mundo do trabalho que julgamos essenciais para compreender adequadamente sua configuração no modo de produção capitalista e, por conseguinte, a atividade profissional do designer. Refletimos assim sobre a economia de serviços, as teorias do fim do trabalho e o trabalho imaterial. A seguir, refletimos sobre a divisão social do trabalho e o papel social do designer. Verificamos que, de modo geral, apesar de ser um dos elos do trabalhador coletivo e estar sujeito aos ditames do capital, esse profissional reproduz todo um aparato ideológico que visa manter e aumentar a exploração do trabalho. Finalmente, elaboramos uma crítica ao conceito de Indústria 4.0, que propõe intensa automação dos processos produtivos, e ao discurso empresarial que divulga a possibilidade de plena implementação da tecnologia correspondente a ele. Para tal, refletimos sobre métodos de controle do trabalho, sobre o contínuo aumento da produtividade industrial e a complexa equação entre trabalho vivo e trabalho morto, relacionando esse debate a dados da indústria da moda, com os quais elaboramos um panorama sobre as relações de trabalho nesse setor na contemporaneidade.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui