$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: SOBRE O ERRO NA PERCEPÇÃO: ​EM DEFESA DE UMA ABORDAGEM NÃO-REPRESENTACIONALISTA ENATIVISTA RADICAL
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): DEYVISSON FERNANDES BARBOSA

Colaborador(es):  LUDOVIC SOUTIF - Orientador
Número do Conteúdo: 48118
Catalogação:  18/05/2020 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=48118@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=48118@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.48118

Resumo:
A percepção é inerentemente representacional? Esta é, como eu a penso, a questão mais fascinante na filosofia da percepção. Para responder a essa pergunta, eu analiso duas formas rivais de pensar a percepção, a saber: representacionalista e anti-representacionalista ou, como prefiro, não-representacionalista. Assim, eu discuto se a percepção é melhor compreendida em termos representacionais ou em termos não-representacionais. Ao fazer isso, busco desenvolver uma variedade radical de enativismo segundo a qual a percepção nem sempre envolve a posse pelo próprio estado mental de conteúdo semântico representacional. Ao rejeitar a visão de que a percepção sempre tem conteúdo representacional, sustento que a percepção deve ser vista em termos de funcionalidade biológica. Ao fazer isso, distingo dois tipos diferentes de normatividade. O primeiro é o que muitos filósofos chamam de normatividade biológica. A segunda, a chamada normatividade semântica, é aquela exibida por nossas habilidades linguísticas, tais como julgamentos, crenças e inferências com conteúdo. Com essa distinção em mente, clarifico em que sentido existem erros perceptuais. Como resultado, defendo que existem erros perceptuais, embora de tipos diferentes. Finalmente, tento explicar as ilusões ópticas, dado por excelência a ser explicado por qualquer teoria da percepção.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui