$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: MAGISTÉRIO E CONFLITOS URBANOS: NARRATIVAS E POSICIONAMENTOS DISCURSIVOS DE PROFESSORES EM CONTEXTOS MARCADOS POR VIOLÊNCIA
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): VIVIANE DOS SANTOS CAVALCANTI

Colaborador(es):  LIANA DE ANDRADE BIAR - Orientador
Número do Conteúdo: 46065
Catalogação:  28/11/2019 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=46065@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=46065@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.46065

Resumo:
A presente dissertação toma como campo uma escola estadual localizada em um bairro no estado do Rio de Janeiro que vem sofrendo mudanças relacionadas aos conflitos urbanos nos últimos anos. Sendo essa escola frequentada por alunos e professores locais, a pesquisa buscou investigar e compreender por meio de construções narrativas e de posicionamentos (Bamberg, 1997; 2002) de seus professores/moradores, como estes constroem suas identidades como professores de escola pública em uma periferia, lidam com os desafios da violência e se posicionam em relação a Discursos circulantes sobre educação e violência. O estudo é, portanto, de base qualitativa e interpretativista (Denzin e Lincoln, 2006), e propõe uma análise de viés autoetnográfico, dado que sua autora é também parte do corpo docente da escola. Os dados apresentados nesta pesquisa foram gerados nas interações em entrevistas qualitativas semi-estruturadas e gravadas em áudio (Mishler, 1986; De Fina, 2009). Além disso, todas as entrevistas deste estudo são analisadas tendo como apoio a perspectiva teórica na Análise de Narrativa (Labov e Waletzky, 1967; Labov, 1972; Riessman, 2008; Bastos e Biar, 2015), mais precisamente na concepção de narrativas não-canônicas, micronarrativas (Bamberg e Georgakopoulou, 2008) e histórias de vida (Linde, 1993), focando nas experiências de vida e em posicionamentos de ordem micro que dialogam com macrodiscursos. A pesquisa também apresenta como suporte analítico as reflexões e noções de Bamberg (2015), Bamberg e Georgakopoulou (2008) e Freeman (2010) sobre construção de identidade, de Goffman (1963) sobre estigma social e de Ewick e Silbey (2003) sobre resistência. As análises apontam que: i) na interação, os narradores se apresentam como professores resistentes às dificuldades atuais impostas pela violência no entorno da escola por já terem passado por desafios antes e durante o ingresso acadêmico, sendo estes profissionais marcados por histórias de vida de resistência e superação; ii) os narradores apresentam posicionamentos de identificação que estão relacionados aos seus alunos e aos professores com quem estudaram e que são retomados como inspiração; iii) os professores encaram a sua profissão como um papel social e a violência no bairro como um descaso das políticas públicas; iv) os professores posicionam se de forma reflexiva sobre suas opções profissionais e de vida, sendo agentes muito atuantes na comunidade escolar e no combate, de modo pedagógico, à violência e ao tráfico que tenta corromper os alunos diariamente.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui