$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: A CALIGRAFIA DO OLHAR DE KARIM AÏNOUZ: POSSIBILIDADES POLÍTICAS DE UM CINEMA NECESSÁRIO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): ANA PAULA DAUDT DE LIMA BRANDAO

Colaborador(es):  RENATO CORDEIRO GOMES - Orientador
Número do Conteúdo: 45505
Catalogação:  23/09/2019 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=45505@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=45505@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.45505

Resumo:
Esta pesquisa procura analisar a filmografia do diretor Karim Aïnouz sob a perspectiva política. O cinema é uma arte que nasce na modernidade: fruto das inovações tecnológicas do século XIX, serviu às utopias das vanguardas, aos revolucionários contra a opressão, como um dos meios através dos quais se procurava levar o esclarecimento às massas. No Brasil, o Cinema Novo é o paradigma da luta pela emancipação nacional e cultural. No contexto atual, em que os grandes ideais da modernidade parecem ter esmaecido e se instaura um pensamento pós-utópico, a relação entre cinema e política é reconfigurada. A ausência de um objetivo comum e de soluções totalizantes por parte dos realizadores dá a impressão de uma luta pulverizada e com uma eficácia duvidosa. Assim, busca-se investigar em que medida o cineasta Karim Aïnouz tenta instigar os espectadores a mudar o estado das coisas (Rancière). Sua trajetória profissional, os temas e cenas recorrentes, bem como a estética dos filmes, serão levantados para tentar reconhecer tanto o que há de singular quanto as similaridades com alguns outros cineastas contemporâneos, principalmente alguns brasileiros, procurando não uma homogeneidade, mas diálogos e convergências geracionais. O foco principal será a relação entre arte e política depreendida tanto da narrativa de cada filme – passando pela escolha de personagens e pelas questões que Aïnouz procura suscitar em seu público – quanto da estética e do seu processo pessoal, buscando também desvendar sua caligrafia do olhar. A forma pela qual esse cineasta percebe as possibilidades políticas de seus filmes, assim como seus questionamentos em relação à sociedade e ao próprio fazer cinematográfico, servem para discutir os desafios do cinema frente à mentalidade estagnada do tempo pós- em que parecemos viver (Rancière). Também serão discutidas algumas ressurgências (ou permanências) do Cinema Novo e como são retrabalhadas nos filmes analisados.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui