INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: CONCEPÇÕES DE FAMÍLIAS PARA CRIANÇAS: CONTRIBUIÇÕES DA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): ILANA CAMURCA LANDIM TAVARES

Colaborador(es):  JULIANE CALLEGARO BORSA - Orientador
Catalogação:  12/12/2018 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=35835@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=35835@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.35835

Resumo:
As configurações familiares estão em processo de diversificação, de maneira que o modelo tradicional de família, formado por homem e mulher unidos em matrimônio, não é o único a ser legitimado pela sociedade. Esses diversos arranjos familiares podem resultar em diferentes concepções sobre a família. Considerando tais mudanças, este estudo teve como objetivo geral investigar as concepções de famílias para crianças, considerando suas produções gráficas e relatos verbais sob a perspectiva teórica da análise do comportamento. Participaram da amostra 108 crianças, com idades entre cinco e 12 anos (M é igual à 8,58; DP é igual à 1,54), residentes na cidade do Rio de Janeiro (RJ), sendo 51 meninas (47,2 por cento) e 57 meninos (52,8 por cento) e seus respectivos responsáveis (71,3 por cento mulheres; M idade é igual à 36,9; DP é igual à 7,31). Foi solicitado às crianças que desenhassem uma família e requeridos esclarecimentos sobre o desenho, os quais foram anotados em uma folha de registro. Ao final, foi questionado à criança o que era uma família para ela. O conteúdo foi armazenado em formato de texto e áudio. Além disso, foi solicitado aos responsáveis que preenchessem um questionário sociodemográfico contendo informações sobre a família da criança. Para analisar os dados do formulário de registro e do questionário sociodemográfico foram realizadas análises descritivas e o Teste qui-quadrado. No que concerne aos dados do relato verbal da criança, foi realizada uma análise lexical proposta pelo programa IRaMuTeQ e uma análise de conteúdo baseada em Bardin. Os resultados indicaram que as crianças retratam o estereótipo de família tradicional, constituído por pai, mãe e filhos, em seus desenhos (67,6 por cento; n é igual à 73) e relatos. Por outro lado, verificou-se que as crianças entendem a família a partir da dimensão afetiva, e não somente associada aos espaços comuns de convivência e moradia. Esse estudo propôs novas perspectivas empíricas e teóricas para a avaliação do desenho da família e relato verbal. Sugeriu, ainda, a necessidade de melhor compreender de que forma os diversos arranjos familiares são apresentados pelas crianças.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui