INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: POÉTICAS DA CIDADE E O CONCEITO DE ESPAÇO PÚBLICO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): PATRICIA TINOCO

Colaborador(es):  JOAO MASAO KAMITA - Orientador
Catalogação:  25/05/2018 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=34000@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=34000@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.34000

Resumo:
Quando Rem Koolhaas, um dos arquitetos mais paradigmáticos da atualidade, se pergunta O que aconteceu com o urbanismo?, coloca-se em evidência uma latente crise no domínio em questão. Crise de identidade? Crise formal? Crise institucional? Operando no campo de estudo e investigação sobre o meio urbano e a relação da disciplina da arquitetura com a produção de pensamentos, de espaços e políticas nas cidades, essa pesquisa mobiliza conceitos-chaves, palavras de força para articular a reflexão sobre a condição atual da arquitetura e alguns significados adotados em seus discursos. Segue-se uma linha de pensamento crítico em relação ao urbanismo funcionalista – à sua mentalidade cientificista, prognóstica, de certa moral produtivista –, e seus desdobramentos na atualidade, em contextos urbanos marcados pela hegemonia de um sistema capitalista avançado. Identifica-se tal crítica retrospectivamente com ideias veiculadas pela teoria situacionista, da década de 1960, associando-a também com conflitos apontados nos discursos de Henri Lefebvre sobre políticas do espaço – sobretudo no que toca contrapontos entre agentes presentes na prática espacial, trazendo debates entre os conceitos de espaço de representação, espaço público e o espaço cotidiano. Tais categorias, citadas acima, permeiam discursos interdisciplinares, possibilitando, a partir de investigações de casos que se entrelaçam, discussões sobre aspectos em que o campo da arquitetura poderia ser enriquecido por abordagens de usos e fenômenos urbanos - ou apropriações - que voltam a atenção para as relações sociais, comportamentais, corporais e temporais do espaço, em detrimento das fortes correntes de ordenamento funcionalista e produtivista. Coloca-se em questão o papel atribuído do arquiteto como definidor de usos e significados de espaços abordando situações que colocam em cheque o conceito tradicional de projeto como instrumento de síntese, antecipação e controle.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui