INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: MULHER NEGRA MILITANTE: TRAJETÓRIAS DE VIDA, IDENTIDADE E RESISTÊNCIA NO CONTEXTO DA POLÍTICA DE AÇÕES AFIRMATIVAS NA UNIVERSIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): MAGALI DA SILVA ALMEIDA

Colaborador(es):  DENISE PINI ROSALEM DA FONSECA - Orientador
Número do Conteúdo: 27717
Catalogação:  20/10/2016 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27717@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27717@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.27717

Resumo:
Este estudo visa contribuir para a compreensão do alcance do protagonismo político da mulher negra militante, com ênfase nas estudantes beneficiárias do programa de ação afirmativa da UERJ. Minha análise sustenta que o capitalismo racista e sexista obscurece e naturaliza a violência racial e de gênero, invisibiliza as históricas formas de resistências da mulher negra, mas não as aniquila. Neste contexto, os estereótipos e representações negativas da mulher negra, criados e naturalizados no imaginário social por processos educacionais de toda ordem, são por ela incorporados, mas também negados no processo de construção identitário. As lutas de resistência de mulheres negras ao longo da história brasileira têm confrontado este padrão de dominação, e esta resistência tem criado condições para a desconstrução de identidades legitimadoras para a afirmação de identidades de projeto de acordo com Castells. O objeto da pesquisa é a construção da identidade coletiva de raça e gênero e a compreensão de seus significados, possibilidades e limites para a consolidação do sujeito social. O universo investigado corresponde a cinco alunas do curso de graduação para o qual ingressaram através da política de cotas raciais a partir de 2003, selecionadas a partir dos seguintes critérios: a) ser, ou haver sido, aluna da UERJ; b) se autodeclarar negra, e c) ter participado de organização do Movimento Negro ou de Mulheres Negras durante o período da graduação. O trabalho de campo procurou responder as seguintes questões: a) Como o racismo atua na construção da identidade da mulher negra militante na UERJ? e b) Quais aspectos de sua história de vida foram considerados relevantes para enfrentar o racismo na universidade? A hipótese que norteou a pesquisa é de que o racismo é uma ideologia de dominação importante no capitalismo, cujas funções são naturalizar as desigualdades de classe e de gênero entre os grupos raciais. Além disso, este mesmo capitalismo busca aniquilar as raízes culturais de matriz africana, necessárias à formação da identidade racial, sendo esta a base sobre a qual a identidade negra se consolida. A pesquisa utilizou- se de um aporte teóricometodológico quantitativo e qualitativo, a saber: a) Análise das desigualdades raciais e de gênero com base em pesquisas já realizadas, assim como a construção de novos indicadores, segundo banco de dados da UERJ; b) Realização de entrevistas narrativas e utilizando-se da fotografia como recurso da memória e; c) Revisão bibliográfica sobre ação afirmativa, racismo e mulher negra. O estudo concluiu que a experiência das entrevistadas é permeada pela violência racial. Contudo, o que as distingue das outras mulheres negras é a escolha da política como mediação para o enfrentamento das relações de poder que estruturam a classe, a raça e o gênero na sociedade.

Descrição Arquivo
CAPA, DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO, LISTAS, EPÍGRAFE  PDF
INTRODUÇÃO  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui