$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: INTERPRETAÇÕES DO BRASIL, (DE)FORMAÇÃO CONTEMPORÂNEAS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): VICTOR COUTINHO LAGE

Colaborador(es):  ROBERT BRIAN JAMES WALKER - Orientador
Número do Conteúdo: 27613
Catalogação:  11/10/2016 Idioma(s):  INGLÊS - ESTADOS UNIDOS

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27613@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27613@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.27613

Resumo:
A tese lida com escritos do século XX agrupados pela designação interpretações do Brasil , focando-se nos usos do conceito de formação nesses textos. Identifiquei cinco traços expostos nesses usos: (1) a centralidade da nação; (2) a incompletude da transição da condição colonial para a condição moderna; (3) a desigualdade interna no país; (4) a mobilização de parâmetros externos na definição do Brasil; e (5) o foco nas especificidades do processo formativo brasileiro. Esses cinco traços são comuns a todos os textos selecionados; no entanto, eles se expressam de maneiras diferentes de acordo com cada texto. A Parte I destaca a recorrência do conceito de formação nas interpretações do Brasil (capítulo 2); depois disso, expõe linhas gerais da perspectiva a partir da qual os usos de formação serão interpretados (capítulo 3). A Parte II (capítulos 4-12) se dedica à interpretação dos textos selecionados, com foco nos usos do conceito de formação e nos traços mencionados antes. A Parte III começa com uma controvérsia ocorrida principalmente no final dos anos 1980 e que se mostra expressiva de muitos aspectos levantadas na Parte II (capítulo 13); em seguida, abordo três intérpretes do Brasil que têm avançado, de formas diferentes, abordagens similares à que desenvolvo no final da tese; isto é, buscam uma interpretação alternativa da formação do Brasil contemporâneo (capítulos 14-16). Finalmente, a Parte IV parte da discussão precedente, a fim de refletir sobre os cinco traços de formação nas interpretações do Brasil , teorizando a partir de certo lugar.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, ABSTRACT, RESUMO, SUMÁRIO E LISTAS  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
PARTE I, CAPITULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
PARTE II, CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
CAPÍTULO 8  PDF
CAPÍTULO 9  PDF
CAPÍTULO 10  PDF
CAPÍTULO 11  PDF
CAPÍTULO 12  PDF
PARTE III, CAPÍTULO 13  PDF
CAPÍTULO 14  PDF
CAPÍTULO 15  PDF
CAPÍTULO 16  PDF
PARTE IV, CAPÍTULO 17  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui