INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: JOÃO DO RIO E SEUS CINEMATOGRAPHOS: O HIBRIDISMO DA CRÔNICA NA NARRATIVA DA BELLE ÉPOQUE CARIOCA
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): ALINE DA SILVA NOVAES

Colaborador(es):  RENATO CORDEIRO GOMES - Orientador
Número do Conteúdo: 27358
Catalogação:  14/09/2016 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27358@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=27358@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.27358

Resumo:
A tese João do Rio e seus cinematographos: o hibridismo da crônica na narrativa da belle époque carioca volta-se para o estudo das possibilidades da crônica tendo como objeto de análise a coluna Cinematographo, publicada semanalmente de 11 de agosto de 1907 a 19 de dezembro de 1910 na Gazeta de Notícias, e o livro homônimo (1909), produções de Paulo Barreto (João do Rio). A partir da realização de um diagnóstico dos textos veiculados no periódico, investiga-se o hibridismo do referido gênero. Além de atribuir sentido a uma época de intensas transformações e ressignificar a cidade que se deseja moderna, a crônica do autor assume o caráter de registro histórico, de crítica cultural e política e, por fim, se deixa contaminar pelo cinema e se apresenta como crônica cinematográfica. Nesse sentido, a coluna e o livro de mesmo nome evidenciam distinções. Embora, à primeira vista, pareçam semelhantes, na Gazeta marca presença a crônica-reportagem enquanto o livro se revela uma cinematografia de letras. Soma-se a isso a constatação da obra não ser simplesmente a reunião de textos publicados na coluna, como revela esta pesquisa. Além de analisar as possibilidades da crônica e suas representações da então capital federal, examinase a organização do volume Cinematographo e suas relações com as crônicas publicadas no jornal à luz das teorias da materialidade.

Descrição Arquivo
CAPA, DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO, EPÍGRAFE  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui