INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: REVELAÇÃO E VULNERABILIDADE: CAMINHOS PARA UMA HERMENÊUTICA DA REVELAÇÃO A PARTIR DA PRESENÇA-AUSÊNCIA
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): ABDRUSCHIN SCHAEFFER ROCHA

Colaborador(es):  MARIA CLARA LUCCHETTI BINGEMER - Orientador
Número do Conteúdo: 26815
Catalogação:  08/07/2016 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=26815@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=26815@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.26815

Resumo:
A pesquisa objetiva refletir sobre as possibilidades de uma pretensa relação entre a revelação divina e a vulnerabilidade humana, propondo, para isso, caminhos para uma hermenêutica da revelação que se compreenda a partir do movimento dialético entre a presença e a ausência. Discute, portanto, se essa revelação diz respeito apenas ao divino e se tal vulnerabilidade é característica apenas do humano. Para tanto, parte-se do pressuposto de que a tradição ocidental, em grande medida, se constrói sobre pressupostos metafísicos que delineiam o horizonte a partir do qual se conceberá a revelação durante a maior parte do tempo. A Modernidade, que se ergue sobre essa lógica metafísica, altamente comprometida com o desnudamento do mundo, verá a revelação apenas como um processo por meio do qual aquilo que estava oculto se manifesta absoluta, plena e substanciamente, ou seja, assumirá a revelação apenas em seu caráter manifestacional, tornando-se, nesse sentido, refratária a qualquer interpretação que se conceba sob o signo do mistério . Verifica-se, portanto, uma inflação da presença e do sentido que se materializa historicamente na cultura ocidental moderna, em geral, e no cristianismo, em particular. O cristianismo sob o influxo dessa saturação se organizará em torno da presença divina, metafisicamente concebida, e a partir de um discurso altamente apologético. Mas, ao longo do percurso aqui proposto constatou-se, também, uma crítica exacerbada ao modo metafísico de se conceber o mundo e o surgimento de uma nova tradição que se insinua cada vez mais pós-metafísica, mediante a qual se considerará o tema aqui proposto. Resgata-se esse horizonte teórico a partir de importantes mudanças históricas ocorridas nos campos da linguagem, da hermenêutica e da pragmática (Linguistic Turn). Essa mudança de paradigmas repercutiu em diversas áreas das ciências humanas, inclusive na própria teologia. Destaca-se aqui a dialética inferida de Martin Heidegger e a hermenêutica kenótica proposta por Gianni Vattimo, importantes pensadores no contexto das mudanças que estabelecerão o pensamento pós-metafísico. Além deles, e na esperança de se consolidar o referencial teórico desta pesquisa, ressaltam-se três teólogos cujas reflexões serão significativamente influenciadas pela crítica ao pensamento metafísico: Karl Rahner, Edward Skillebeekx e Andrés Torres Queiruga. Finalmente, mediante uma hermenêutica da presença-ausência , a pesquisa propõe caminhos para a construção de uma teologia da revelação que se faça a partir da vulnerabilidade humana. Assume, nesse sentido, a recepção enquanto critério hermenêutico-teológico, ao sugerir uma teologia de textos escritos — amparada no pressuposto de que está circunscrita aos limites da linguagem —, bem como uma teologia de textos vivos — consciente de que há experiências humanas que extrapolam esses limites. Em ambos os casos pressupõe-se uma epistemologia frágil , que proporcione lidar com esse caráter abscôndito e manifesto do divino ao modo de um pastoreio . Ou seja, propõe-se que o processo através do qual somos interpelados por esse Deus que se expressa na dialética da presença-ausência, que aqui se nomeia de revelação, seja alvo do cuidado humano. Pastorear o divino; pastorear os meios através dos quais o compreendemos; pastorear o produto final desse processo, que se transforma em teologia; pastorear o próprio pastoreio; enfim, pastorear a revelação — eis aí o desafio proposto pela pesquisa.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui