INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: FAÇA O QUE EU DIGO, NÃO FAÇA O QUE EU FAÇO: UM ESTUDO SOBRE A FIDELIDADE NAS RELAÇÕES AMOROSAS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): JACQUELINE VICTORIENSE DE ANDRADE CUNHA

Colaborador(es):  TEREZINHA FERES CARNEIRO - Orientador
Número do Conteúdo: 26526
Catalogação:  02/06/2016 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=26526@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=26526@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.26526

Resumo:
As relações amorosas são revestidas por diversos paradoxos, podendo ser encaradas como um dos maiores dilemas com os quais o ser humano precisa lidar. As ambiguidades existentes nas relações amorosas podem ser amplamente encontradas na temática da fidelidade e infidelidade. O presente estudo tem como objetivo geral investigar como os jovens adultos solteiros concebem e vivenciam a questão da fidelidade em seus relacionamentos amorosos. Para atingir esses objetivos, foram entrevistados dez jovens adultos solteiros, universitários, das camadas médias da população carioca, sendo cinco homens e cinco mulheres heterossexuais. Os sujeitos são independentes, e possuem entre 18 e 25 anos de idade. Foi utilizada uma metodologia qualitativa, com a realização de entrevistas semi-estruturadas. Da análise das entrevistas, feita através do método de análise de conteúdo (Bardin, 2011), emergiram diversas categorias. Constatou-se que os sujeitos concebem as relações amorosas na atualidade como superficiais, passageiras, vazias e banais. Os mesmos consideram a fidelidade um aspecto fundamental da relação e esperam que seus parceiros sejam fiéis. Uma pessoa é reconhecida como fiel quando é transparente e sincera, e quando cumpre os acordos preestabelecidos com o parceiro. Alguns sujeitos destacam a existência de uma infidelidade consigo mesmos, e muitos têm dificuldades em estabelecer os limites entre o que é fidelidade ou infidelidade. Conclui-se que, apesar das diversas transformações sociais, a fidelidade continua sendo um aspecto fundamental dos relacionamentos amorosos e os jovens esperam que seus parceiros sejam fiéis. Ser fiel significa não somente manter a exclusividade sexual, como também a transparência, a honestidade e a sinceridade com o parceiro.

Descrição Arquivo
NA ÍNTEGRA  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui