INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: A QUESTÃO DA LINGUAGEM NAS EPÍSTOLAS DE PAULO AOS ROMANOS E AOS CORÍNTIOS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): GUILHERME LIMA CARDOZO

Colaborador(es):  HELENA FRANCO MARTINS - Orientador
Número do Conteúdo: 22594
Catalogação:  06/03/2014 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=22594@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=22594@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.22594

Resumo:
O presente trabalho tem como objetivo investigar de que forma Paulo faz emergir das Escrituras Sagradas um pensamento sobre a linguagem, com foco em suas cartas aos romanos e aos coríntios. Testa-se a hipótese de que comparece ali uma perspectiva de linguagem pragmática. Dar-se-á ênfase especial a dois aspectos interligados: o modo como Paulo aborda, através de metáforas, a presença das metáforas nas Escrituras; e o modo como a questão do indizível e o gênero apofático se manifestam nas suas epístolas. Nas análises do presente estudo mostra-se que (a) apesar de haver passagens em que a metáfora é colocada no discurso tal qual uma espécie de ornamento, como um meio de obter o entendimento e a atenção dos ouvintes, conforme prevê a clássica teoria aristotélica, com a tensão letra x espírito, o apóstolo vem romper com o primado da literalidade e do significado próprio da palavra, em diversos momentos nos quais a metáfora, muito mais que agente de um impacto estético ou retórico, aparece como um recurso que permite uma aproximação indireta com Deus – o que permite entrever nos escritos paulinos elementos de teorias posteriores da metáfora, onde é tomada como fenômeno fundante; (b) ao tratar do tema do divino, Paulo lhe atribui sua característica de inefabilidade, consoante alguns pensadores gregos que lhe antecederam, porém, em seu discurso, a indizibilidade pode sair do campo do incognoscível e ser sondada pelas criaturas, contanto que se libertem da letra que mata, pois através do espírito o homem pode conhecer a Deus – que é Espírito – face a face; (c) tornar o indizível cognoscível, pela atividade do espírito, não significa, absolutamente, torná-lo dizível.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT E SUMÁRIO  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui