INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: LAS KENNINGAR: LINGUAGEM E PERSPECTIVISMO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): SABRINA ALVERNAZ SILVA CABRAL

Colaborador(es):  HELENA FRANCO MARTINS - Orientador
Número do Conteúdo: 17632
Catalogação:  10/06/2011 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=17632@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=17632@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.17632

Resumo:
Esta dissertação analisa o ensaio Las kenningar, de Jorge Luis Borges. Debruçando-nos sobre suas reflexões acerca desse recurso próprio dos poemas medievais islandeses, encontramos vez para discutir a linguagem, em geral, e a metáfora, em particular. Mostraremos mais especificamente que certo ângulo aberto pelo texto de Borges permite pensá-las de uma forma que é surpreendentemente próxima do tipo de perspectivismo descrito pelo antropólogo Eduardo Viveiros de Castro em suas reflexões sobre a vida e o pensamento ameríndio. Tal afinidade é fomentada por inusitados encontros: se o sangue, por exemplo, nas kenningar, pode ser a cerveja dos corvos; para os ameríndios, pode ser o cauim do jaguar. Destaca-se nos dois casos, conforme mostraremos, o privilégio de uma perspectiva e a predominância das relações em devir – e isso de um modo que promete subverter de forma especialmente radical o pendor logocêntrico, que tende a permanecer como matéria velha em percepções contemporâneas ocidentais sobre a palavra, mesmo entre os mais perseverantes críticos da visão representacionista da linguagem. Busca-se mostrar também como o ensaio de Borges, na contraluz do perspectivismo ameríndio, abre espaços para se repensar o jogo entre metáfora e alteridade.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO E LISTA DE ABREVIATURAS  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXO  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui