INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: BRASIL ACIMA DE TUDO! NARRATIVA E CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES: O COMBATENTE PÁRA-QUEDISTA DO EXÉRCITO BRASILEIRO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): DANIELA CALDEIRA BRUNO

Colaborador(es):  LILIANA CABRAL BASTOS - Orientador
Número do Conteúdo: 17043
Catalogação:  10/03/2011 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=17043@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=17043@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.17043

Resumo:
A presente tese de doutorado investiga o processo de construção de identidades de oficiais pára-quedistas do Exército Brasileiro em narrativas de história de vida. O corpus de dados foi gerado mediante entrevistas conduzidas pela pesquisadora com 10 oficiais pára-quedistas lotados no 26º Batalhão de Infantaria Pára-quedista, além de outra entrevista conduzida com um oficial que já havia servido naquele batalhão. A partir de uma visão de discurso como uma forma de ação social; de identidade como fenômeno socioconstruído, relacional, dinâmico, situado, fluido, contextual e processual; de narrativa como construções situadas da experiência, guiadas pelos filtros afetivos do narrador, através das quais ele organiza sua experiência individual inscrita na ordem social buscou-se investigar os processos de construção de identidades de indivíduos que praticam, vivenciam e compartilham um código de valores em um contexto particular: a comunidade pára-quedista do Exército Brasileiro. Buscou-se também entender como os pára-quedistas servem-se de tais valores para elaborarem partes de suas autobiografias levando-se em consideração a cena contemporânea em que suas existências se dão. O foco das análises recai sobre a dinâmica entre o contexto social e a agência individual buscando-se o diálogo entre socioconstrucionismo e subjetividade. Na análise foi dada especial atenção à construção do ponto de tais narrativas, às avaliações e às resoluções instanciadas. Por sua vez, são essas narrativas que constroem o ideário pára-quedista, ao repetidamente reafirmar e sustentar crenças e valores compartilhados na comunidade estudada. Discutiu-se acerca das forças coercitivas do grupo na construção das identidades coletivas de seus membros e de como tais forças cobram performances identitárias ao mesmo tempo em que brindam os integrantes do grupo com um sentimento de pertença e a segurança de se acreditar saber quem se é. Percebeu-se que em meio às forças coercitivas atuantes na comunidade pára-quedista, marcadas principalmente pela evidência de atributos físicos, emocionais e morais valorizados naquela ecologia, surge, no ato de narrar e recapitular experiências e feitos passados, uma noção de self expressa vividamente pelos narradores durante as histórias que contam. Os pára-quedistas constroem-se como personagens principais e heróicos em suas próprias narrativas. Esta noção de self socioconstruído foi entendida como um efeito dramático decorrente da ação narrativa. Na performance sociointeracional, isto é, na encenação narrativa vívida e pulsante, os pára-quedistas evidenciam sensações ontológicas e sentimentos existenciais, entendendo-se como profissionais movidos pelos ideais pára-quedistas cujos atributos de superioridade, segundo eles, destinam-se ao seu bem maior, este último entendido pelos pára-quedistas como a disposição incondicional para a defesa e manutenção da integridade nacionais.

Descrição Arquivo
CAPA, DEDICATÓRIA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui