$$\newcommand{\bra}[1]{\left<#1\right|}\newcommand{\ket}[1]{\left|#1\right>}\newcommand{\bk}[2]{\left<#1\middle|#2\right>}\newcommand{\bke}[3]{\left<#1\middle|#2\middle|#3\right>}$$
INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC|



Título: VERBOS MODAIS EM CONTRASTE: ANÁLISE DE CORPUS DA ESCRITA DE UNIVERSITÁRIOS EM INGLÊS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): VANDER PAULA VIANA

Colaborador(es):  LUCIA PACHECO DE OLIVEIRA - Orientador
Número do Conteúdo: 12417
Catalogação:  28/10/2008 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=12417@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=12417@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.12417

Resumo:
O presente estudo busca investigar o uso de verbos modais na produção escrita de universitários brasileiros em inglês como língua estrangeira (ILE), contrastando-o com o emprego realizado por alunos universitários americanos e britânicos que têm o inglês como primeira língua. Para tanto, lança-se mão do arcabouço teórico da lingüística de corpus (Sinclair, 1991; McEnery & Wilson, 1996; Hunston, 2002; Berber Sardinha, 2004; McEnery, Xiao & Tono, 2006) e de recursos tecnológicos, especialmente o programa computacional WordSmith Tools (Scott, 1999), para analisar dois corpora. O corpus de estudo consiste em uma fração do Br-ICLE (The Brazilian Portuguese Sub-corpus of the International Corpus of Learner English), coletada em quatro universidades do Estado do Rio de Janeiro, totalizando 51.430 palavras, enquanto o de referência corresponde a uma parte do LOCNESS (Louvain Corpus of Native English Essays), somando 165.135 palavras. Adotando uma abordagem textual à escrita (Hyland, 2002) e uma abordagem estatística para quantificar os resultados, a investigação tem como foco os verbos modais centrais (Biber et al., 1999), a saber, can, could, may, might, must, shall, should, will e would. Os resultados indicam que os falantes brasileiros de inglês empregam menos verbos modais do que seus pares americanos e britânicos. Mais especificamente, nota-se que will e would são usados com freqüência significativamente menor na escrita em ILE de brasileiros. Diferenças entre os modais também são encontradas quando se analisa o padrão de uso destes verbos. Os resultados da pesquisa evidenciam, de certa forma, a diferença na produção escrita dos dois grupos estudados, o que pode contribuir para o ensino de língua inglesa no contexto brasileiro.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT, SUMÁRIO E LISTAS  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
CAPÍTULO 6  PDF
CAPÍTULO 7  PDF
CAPÍTULO 8  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui