INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: HOJE EU ME SINTO AFRICANA: PROCESSOS DE (RE)CONSTRUÇÃO DE IDENTIDADES EM UM GRUPO DE ESTUDANTES CABO-VERDIANOS NO RIO DE JANEIRO
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): OLIVIA NOGUEIRA HIRSCH

Colaborador(es):  SONIA MARIA GIACOMINI - Orientador
Número do Conteúdo: 11708
Catalogação:  02/06/2008 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=11708@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=11708@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.11708

Resumo:
A pesquisa busca compreender os processos de (re)construção identitária vividos por um grupo de estudantes cabo-verdianos no Rio de Janeiro. Identificados majoritariamente como negros e mulatos pelos brasileiros, esses estudantes vêm de uma sociedade que atribui à mestiçagem a especificidade da identidade nacional. Esse discurso, construído por uma elite que muito se apropriou das idéias de Gilberto Freyre, buscava diferenciar os cabo-verdianos das populações das demais colônias portuguesas na África, garantindo ao ilhéu o posto de segundo colonizador. No Rio de Janeiro, porém, foi possível constatar que a maioria desses jovens construiu um olhar mais crítico em relação à mestiçagem. Esse processo foi acompanhado de uma valorização de uma identidade afro-referenciada, possivelmente por influência do intenso debate sobre a implementação de políticas de identidade no Brasil. Mas as transformações vividas pelos estudantes cabo-verdianos não se limitam à identidade étnica. Provenientes de um país onde há mais habitantes fora do que dentro de seus limites geográficos, estudar no exterior significa para esses jovens não apenas estar em vias de conformar a futura elite intelectual do arquipélago, mas também construir-se como cabo-verdiano, na medida em que a adaptação a outras culturas é percebida como uma especialidade nacional.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT E SUMÁRIO  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui