INFORMAÇÕES SOBRE DIREITOS AUTORAIS


As obras disponibilizadas nesta Biblioteca Digital foram publicadas sob expressa autorização dos respectivos autores, em conformidade com a Lei 9610/98.

A consulta aos textos, permitida por seus respectivos autores, é livre, bem como a impressão de trechos ou de um exemplar completo exclusivamente para uso próprio. Não são permitidas a impressão e a reprodução de obras completas com qualquer outra finalidade que não o uso próprio de quem imprime.

A reprodução de pequenos trechos, na forma de citações em trabalhos de terceiros que não o próprio autor do texto consultado,é permitida, na medida justificada para a compreeensão da citação e mediante a informação, junto à citação, do nome do autor do texto original, bem como da fonte da pesquisa.

A violação de direitos autorais é passível de sanções civis e penais.
Coleção Digital

Avançada


Estatísticas | Formato DC



Título: CORPOS ENQUADRADOS: AIDS E CORPOREIDADE EM FILMES NARRATIVOS
Instituição: PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RIO DE JANEIRO - PUC-RIO
Autor(es): CARLOS ANDRE FACCIOLLA PASSARELLI

Colaborador(es):  SOLANGE JOBIM E SOUZA - Orientador
Número do Conteúdo: 10161
Catalogação:  20/07/2007 Idioma(s):  PORTUGUÊS - BRASIL

Tipo:  TEXTO Subtipo:  TESE
Natureza:  PUBLICAÇÃO ACADÊMICA
Nota:  Todos os dados constantes dos documentos são de inteira responsabilidade de seus autores. Os dados utilizados nas descrições dos documentos estão em conformidade com os sistemas da administração da PUC-Rio.
Referência [pt]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=10161@1
Referência [en]:  https://www.maxwell.vrac.puc-rio.br/colecao.php?strSecao=resultado&nrSeq=10161@2
Referência DOI:  https://doi.org/10.17771/PUCRio.acad.10161

Resumo:
Este estudo busca investigar o imaginário social formado sobre o corpo das pessoas afetadas pela Síndrome de Imunodeficiência Adquirida (AIDS) e criado a partir de filmes narrativos produzidos durante os últimos 26 anos. Em um primeiro momento, discorro sobre os modos de subjetivação corporal, a partir do referencial teórico estabelecido por Mikhail Bakhtin, pela fenomenologia de Merleau-Ponty e pelos estudos de Michel Foucault sobre a história da sexualidade e a biopolítica. A construção de um marco referencial para a metodologia desta pesquisa me foi possível a partir, de um lado, da leitura de autores que se debruçaram sobre as relações entre subjetividade e cinema e, de outro, dos textos sobre o papel da linguagem na constituição da subjetividade. Desse modo, a análise dos filmes pesquisados busca identificar as imagens, representações, metáforas e sentidos construídos desde o início da epidemia, por meio de um diálogo entre essas produções culturais e autores que se dedicaram à pesquisa dos discursos sobre a epidemia no âmbito da ciência médica e do ativismo político em AIDS. Situo, então, o conjunto de representações sobre a epidemia e sua relação com a corporeidade em quatro categorias: a) a dificuldade em fazer sentido à experiência da doença, na medida em que ela não se faz notar no corpo; b) a relação do sujeito com os sintomas que surgem no corpo, de modo que a doença se faz visível, para o doente e para o outro; c) as possíveis reações diante da sensação da morte eminente devido à deterioração do corpo, e as respostas subjetivas em face da culpa e do preconceito social e; d) as estratégias de resistência que não tentam burlar a morte, mas atribuir- lhe sentidos, implicando a corporeidade num ativo processo de produção, de poder.

Descrição Arquivo
CAPA, AGRADECIMENTOS, RESUMO, ABSTRACT E SUMÁRIO  PDF
CAPÍTULO 1  PDF
CAPÍTULO 2  PDF
CAPÍTULO 3  PDF
CAPÍTULO 4  PDF
CAPÍTULO 5  PDF
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS E ANEXOS  PDF
Agora você pode usar seu login do SAU no Maxwell!!
Fechar Janela



* Esqueceu a senha:
Senha SAU, clique aqui
Senha Maxwell, clique aqui